18-02-2019

Clubbing- SP

Por: Leonardo Ferreri

Conversamos com DJ Zé Pedro, residente do Club Jerome e idealizador de projeto tributo a Cazuza

Eterno ícone da música nacional, em especial do rock brasileiro, o cantor Cazuza deixou muita saudade nos fãs de sua época e também nos fãs de música brasileira em geral. No dia 4 de abril, o ídolo que sempre nadou contra a corrente faria aniversário, por isso vamos celebrar e relembrar o que sua existência representa para fãs.

COMO CAZUZA COMEÇOU NA MÚSICA?
Cazuza iniciou sua carreira artística no teatro, o que explica seus envolventes trejeitos performáticos em palco. Após ser indicado por Léo Jaime, outro ícone da música nacional, Cazuza assumiu os vocais do Barão Vermelho, que em 1982 lançou seu primeiro álbum. A sintonia entre os vocais viscerais de Cazuza e o rock do Barão Vermelho foi imediata. Assim nasceu uma das maiores bandas da música brasileira.

NASCE UM SÍMBOLO DA MÚSICA NACIONAL
Não demorou muito para que Cazuza direcionasse sua energia para carreira solo. Em 1985 saiu seu primeiro álbum solo, o clássico da música nacional “Exagerado”.De personalidade marcante e trabalho carregado de criticidade, Cazuza imprimiu retratos da situação política na música nacional.

Idealizador do projeto “Agenor – um tributo a Cazuza” (que contou com participações de SILVA, Mombojó, Wado, Letuce, entre outros nomes) DJ Zé Pedro ressalta a irreverência de Cazuza. “A geração dos anos 80 teve diversos privilégios musicais mas com certeza Cazuza foi o poeta mais certeiro”, relembrou. O DJ, que é residente das festas Avéc Elegance e Ginga!, ambas do Club Jerome, ainda destacou a sintonia de Cazuza com a juventude dos anos 80, dizendo que ele foi quem “melhor traduziu os anseios dos jovens daquela época que se identificavam com suas letras confessionais onde expunha suas dores e delícias somadas a uma ironia rascante sobre o eterno caos político desse país”.

Com uma discografia que carrega álbuns com títulos como Ideologia (1988) e Burguesia (1989), Cazuza transcendeu o cenário da música brasileira. O artista também é um ícone da luta contra a AIDS, tendo falecido em decorrência de complicações causadas pelo desenvolvimento da doença. Eterna referência da música nacional, Cazuza atraiu multidões em vida e em sua despedida também. Viva Cazuza!

A geração dos anos 80 teve diversos privilégios musicais mas com certeza Cazuza foi o poeta mais certeiro, o que melhor traduziu os anseios dos jovens daquela época que se identificavam com suas letras confessionais onde expunha suas dores e delícias somadas a uma ironia rascante sobre o eterno caos político desse país

DJ Zé Pedro, “Cazuza expunha suas dores e delícias somadas a uma ironia rascante sobre o eterno caos político desse país”

Barão Vermelho – Bete Balanço (Rock in Rio 1985): https://youtu.be/inqNm1PyfN8

No comments

You can be the first one to leave a comment.

Leave a Reply

ERROR: si-captcha.php plugin says captcha_library not found.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>